Caro Visitante! Este blog é uma forma de expressar a minha paixão pela Arte, pela Natureza e também pela minha querida cidade natal que é Ribeirão Bonito. Espero que encontre aqui um espaço do seu agrado e, sobretudo que se sinta à vontade para apreciar, contemplar, refletir, observar, analisar, comentar, interagir, sugerir, enfim, participar. Seja bem-vindo!

sábado, 23 de abril de 2011

Tempo de Semana Santa!

João
Permaneceu
por Perto!


Max Lucado 


Arte: Beto Piccolo!





"Poderia ter havido tragédia maior para João do que a morte de Jesus? Três anos antes, João havia dado as costas para sua carreira e decidido seguir ao carpinteiro Nazareno. No início da semana, João havia participado da parada quando Jesus e seus discípulos entraram em Jerusalém. Oh, como as coisas haviam mudado rapidamente! As pessoas que o haviam chamado de Rei no domingo, pediram a sua morte na sexta-feira seguinte. Estes linhos eram um lembrete tangível de que seu amigo e seu futuro estavam envoltos em panos e trancados atrás de uma rocha.

Naquela sexta-feira João não sabia o que nós sabemos. Ele não sabia que a tragédia de sexta-feira seria o triunfo de domingo. João confessaria mais tarde: "ainda não sabiam a Escritura, que diz que era necessário que ressuscitasse dos mortos" (Jo 20.9).

É por isso que a sua atitude no sábado foi tão importante!

Nada sabemos sobre este dia; não existem passagens para ler, nenhum conhecimento a compartilhar. Tudo que sabemos é: Quando chegou o domingo, João ainda estava presente. Quando Maria Madalena veio procurá-lo, ela o encontrou.

Jesus estava morto. O corpo do Mestre estava sem vida. O amigo e o futuro de João estavam enterrados. Mas João não saiu de lá. Por quê? Estaria ele esperando pela ressurreição? Não. Pelo que ele sabia, os lábios haviam sido eternamente silenciados e as mãos eternamente paradas. Ele não estava à espera de uma surpresa no domingo. Então, por que ele estava lá?

O certo seria pensar que ele havia saído. Quem garantiria que o homem que crucificou a Jesus não viria atrás dele também? A multidão ficou satisfeita com a crucificação; os líderes religiosos poderiam ter pedido mais. Assim sendo, por que João não saiu da cidade?

Talvez a resposta fosse pragmática. Talvez ele estivesse tomando conta da mãe de Jesus. 


Quem sabe não tinha outro lugar para onde ir. São várias as possibilidades: falta de dinheiro, falta de disposição, falta de direção... ou todas as alternativas acima.

Talvez ele tenha ficado porque amava a Jesus.

Para alguns, Jesus era uma pessoa que fazia milagres. Para outros, Jesus era um mestre. Para outros tantos, Jesus era a esperança de Israel. Mas para João, Ele era tudo isto e muito mais. Para João, Jesus era um amigo.

Não se abandona um amigo — nem mesmo quando ele morre.
João ficou perto de Jesus. 


Era um hábito seu.
Ele esteve perto de Jesus no Cenáculo. Ele esteve perto de Jesus no Jardim do Getsêmani. Ele esteve aos pés da cruz durante a crucificação, e estava a alguns passos da sepultura durante o enterro.

Ele entendia a Jesus? Não.

Ele estava feliz com o que Jesus havia feito? Não.

 Mas ele abandonou a Jesus? Não!"


Do livro: Ele Escolheu os Cravos


*** 



Nenhum comentário:

Postar um comentário